Pedra na vesícula

Pedra na vesícula: como é o tratamento?

A pedra na vesícula é uma condição muito comum, acometendo cerca de 20% da população mundial. Apesar de não ser uma condição grave, na maioria das vezes, existem situações em que precisa ser tratada o mais breve possível. 

Você conhece as possibilidades de tratamento para essa doença? Caso não, recomendamos a leitura deste post. A seguir, explicaremos um pouco mais sobre essa patologia e sobre as medidas terapêuticas.

O que é a pedra na vesícula?

A colelitíase, como o quadro é chamado, trata-se de um problema caracterizado pela formação de cálculos no interior da vesícula biliar, que podem ter o tamanho de grãos de areia ou até de pequenas pedras. Além disso, o paciente pode apresentar um único cálculo ou dezenas deles.

Ainda, este órgão está localizado no quadrante superior direito do abdômen, logo abaixo do fígado. A principal função da vesícula é armazenar a bile, substância que atua no processo de digestão das gorduras dos alimentos.

Quando a vesícula biliar está vazia, a saída da via biliar fica fechada e a bile permanece armazenada, sendo capaz de guardar até 50 ml dessa substância. Porém, para conseguir aumentar essa capacidade, o organismo torna a bile mais concentrada. 

Dessa forma, a quantidade de água presente neste órgão é diminuída. Quanto maior a concentração, mais a bile ficará espessa. Porém, quando há um desequilíbrio na sua composição, ela se solidifica e forma os cálculos.

Quais as opções de tratamento para pedra na vesícula?

A colelitíase é uma doença que está relacionada com diferentes fatores, inclusive com a qualidade da alimentação. Neste sentido, também existem formas distintas de tratar as pedras na vesícula.

Quando os cálculos ainda são pequenos e não causam sintomas, a adesão a uma dieta específica e o uso de medicamentos é suficiente para controlar a condição. Porém, quando as pedras são grandes ou obstruem os canais biliares, a cirurgia é a principal medida.

Em último caso, se o paciente não possuir a condição adequada para realizar o procedimento cirúrgico, existem outras terapias que ajudam a eliminar ou diminuir os cálculos, como as ondas de choque. A seguir, explicaremos um pouco mais sobre cada uma delas:

Mudança na alimentação

As mudanças na alimentação tem como objetivo evitar o aumento do colesterol, uma das principais causas da formação de pedras na vesícula. Neste sentido, é preciso reduzir a ingestão de massas e gorduras saturadas e trans.

Por outro lado, o médico poderá recomendar o aumento no consumo de diversos alimentos, como:

  • frutas;
  • legumes;
  • salada crua;
  • chia;
  • linhaça;
  • pão e arroz integral;
  • aveia;
  • bolachas de água e sal;
  • massas integrais.

Uso de medicamentos

O tratamento medicamentoso da colelitíase consiste no uso de fármacos capazes de dissolver os cálculos. Porém, esses remédios precisam ser utilizados durante muito tempo, pois as pedras levam anos para serem totalmente dissolvidas.

Colecistectomia

O tratamento cirúrgico dos cálculos biliares só é indicado quando o paciente apresenta dores abdominais ou quando as pedras obstruem os canais. O procedimento é chamado de colecistectomia e consiste na remoção da vesícula.

Ondas de choque para pedra na vesícula

A terapia de ondas de choque (litotripsia extracorpórea) consegue quebrar as pedras em pedaços pequenos, facilitando sua passagem pelos ductos biliares para serem eliminadas juntamente com as fezes.

Enfim, como você pode perceber, existem diferentes maneiras de tratar as pedras na vesícula, desde técnicas invasivas até procedimentos não cirúrgicos. Então, caso sinta algum desconforto abdominal, converse com seu médico.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião em Belo Horizonte!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp