Lipossarcoma

Lipossarcoma no fígado: o que é?

Conforme envelhecemos, ficamos cada vez mais suscetíveis a doenças, como é o caso do lipossarcoma, uma neoplasia própria de pacientes adultos, com pico de incidência entre a faixa etária de 40 a 60 anos.

Você já ouviu falar nessa condição? Sabe como ela é causada? Então, recomendamos a leitura deste post. Nele, explicaremos os principais tópicos a respeito do tema.

Entenda mais sobre o lipossarcoma no fígado

O termo “lipossarcoma” se refere a um conjunto de processos neoplásicos que envolvem desde lesões benignas a lesões malignas mais agressivas, com maiores chances de recidivas e metástases.

Ainda, o lipossarcoma é um tumor que deriva de células primitivas e, geralmente, se localiza nos tecidos moles mais profundos das extremidades, especialmente na região da coxa. No entanto, o fígado também pode ser acometido, mesmo que raramente.

Ademais, o lipossarcoma primário hepático se assemelha a outros lipossarcomas. O tumor se caracteriza por uma superfície amarelo-acinzentada, com tecido ao seu redor, formando uma espécie de envelope de camada fina incompleta.

Como é causado?

Tradicionalmente, os lipossarcomas ocorrem quando as células previamente saudáveis desenvolvem erros em seu DNA e passam a se multiplicar desorganizadamente. Porém, as causas para essa ação não estão totalmente explicadas.

Além disso, não existem fatores de risco conhecidos para esse câncer, mesmo o tabagismo e a má alimentação não exercem influência para o seu desenvolvimento. Porém, é uma neoplasia comum em pessoas com mais de 50 anos.

De modo geral, existem 4 lipossarcomas: bem diferenciado, mixóide, desdiferenciado e pleomórfico. Após a identificação do tipo e o seu estadiamento, o médico poderá indicar o tratamento mais adequado, aumentando as chances de cura.

Quais são os sintomas?

A localização dos lipossarcomas é fundamental para os sintomas apresentados. Quando localizado na região abdominal, o tumor pode se desenvolver no retroperitônio, membrana que reveste os órgãos.

Nesses casos, o paciente apresenta ganho de peso, dor e inchaço no estômago, constipação ou fezes com sangue e dificuldade para urinar. Então, se o tumor aumentar de tamanho, pode pressionar órgãos vizinhos, afetando o funcionamento deles.

Ainda, o lipossarcoma primário hepático também pode provocar perda de apetite, dor incômoda, fadiga, afundamento do fígado, perda de peso e soluços. À medida que o tumor ganha volume, a dor se torna mais aguda.

Como é o tratamento?

Assim como outros sarcomas de tecido mole, trata-se o lipossarcoma com cirurgia. Assim, o objetivo do procedimento é retirar completamente o tumor e prevenir recidivas. A ressecção cirúrgica pode ser feita de 4 principais formas:

  • intralesional: por meio de curetagem para a remoção parcial do tumor;
  • marginal, deixando pequenos resíduos;
  • ampla: remoção do tumor e do tecido adjacente que o circunda;
  • radical: quando se retira todo o compartimento.

Nesse sentido, a combinação da cirurgia com radioterapia ou o uso da quimioterapia no tratamento do lipossarcoma no fígado ainda é objeto de discussão. Por isso, sua utilização é individualizada, de acordo com cada caso.

Então, com a leitura deste post, você conheceu os tópicos mais relevantes sobre a presença de um lipossarcoma no fígado. Portanto, caso perceba alguns dos sintomas mencionados, converse com seu médico para receber a orientação adequada.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Então, leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião em Belo Horizonte!

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp