álcool

Álcool: danos causados ao fígado

Álcool e fígado estão diretamente ligados. A dependência desta substância pode ocasionar consequências desastrosas ao órgão, pois o organismo do dependente torna-se mais tolerante, exigindo doses crescentes para produzir a sensação de bem-estar.

Por isso, é preciso estar atento aos cuidados com a saúde do fígado. Caso contrário, compromete-se o órgão consideravelmente. Quer entender mais sobre essa relação? Então, continue a leitura do texto.

O que ocorre no corpo quando consumimos bebidas com alcoól?

Embora pareça um hábito inofensivo, o consumo de bebidas alcoólicas é prejudicial à saúde. Diferente do que muitos imaginam, não há uma medida que determine o consumo seguro dessa substância.

Isso porque o efeito do álcool no corpo é influenciado por diferentes fatores, tais como, idade, peso corporal, quantidade de gordura no organismo, ritmo do metabolismo do fígado, entre outros aspectos que variam de pessoa para pessoa.

Ao ingerir uma bebida alcoólica, o álcool chega ao estômago e entra na corrente sanguínea, passando por vários órgãos até chegar ao cérebro. Nos primeiros 10 minutos, essa substância se transforma em acetaldeído sendo combatida pelo organismo.

Isso ocorre porque as enzimas do fígado destroem a molécula do álcool. No entanto, se o consumo for em grandes doses, o órgão não consegue lidar com essa alta demanda, o que faz com que o acetaldeído permaneça por mais tempo no corpo.

Com isso, além de causar aumento na pressão arterial, contribui para o desenvolvimento de fadiga, náuseas, irritação estomacal e dor de cabeça, sintomas que caracterizam ressaca.

Como o álcool afeta o fígado?

O fígado possui enzimas capazes de destruir o álcool, transformando-o em outras substâncias. Entretanto, quando consumido em excesso, ocasiona lesões nas células hepáticas. Quando o indivíduo bebe com frequência o fígado não tem tempo de se regenerar.

Com isso, as células do órgão são destruídas. Dessa forma, contribui para o desenvolvimento de doenças hepáticas. Entre as mais comuns, estão:

  • esteatose alcoólica: o uso abusivo do álcool provoca a deposição de gordura no fígado. É o primeiro estágio da doença e, ao interromper o consumo de álcool nessa fase, ele recupera sua função hepática;
  • hepatite alcoólica: é a inflamação e/ou destruição do tecido hepático, causando perda de apetite, náuseas, vômitos, dor abdominal e febre. Este é o segundo estágio da doença hepática e pode se reverter com abstinência alcoólica;
  • cirrose alcoólica: é o estágio avançado da doença hepática causado pelo dano progressivo das células do fígado.

Quando um fígado torna-se cirrótico, ele apresenta uma fibrose extensa que compromete o funcionamento do fígado e até dos rins e do cérebro. Esses três estágios tendem a acontecer sequencialmente. Porém, alguns indivíduos podem desenvolver cirrose sem ter tido hepatite.

Como prevenir?

Para evitar a sobrecarga do fígado é importante controlar a ingestão de bebidas alcoólicas. Se não for possível interromper o consumo, beba moderadamente e lentamente, pois o órgão pode metabolizar apenas 10 gramas de álcool por hora.

Além disso, consumir alimentos ricos em proteínas e carboidratos ajuda a reduzir a velocidade da absorção de álcool pelo intestino, permitindo que ele metabolize melhor os alimentos que estão sendo ingeridos.

Então, com a leitura deste texto, você entendeu como o álcool pode danificar o fígado e afetar a sua saúde. Portanto, se você tem o hábito de beber diariamente, mude esse comportamento e diminua drasticamente o volume de álcool consumido.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião em Belo Horizonte! 

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp