Trombose mesentérica

Trombose mesentérica: causas, sintomas e tratamentos

Dor abdominal, diarreia, náuseas, vômitos, flatulência e constipação intestinal. O que esses sintomas têm em comum? Todos são característicos de uma doença pouco conhecida chamada de trombose mesentérica.

Você já ouviu falar nessa doença? Sabe como ela é causada? Então, recomendamos a leitura deste post. Nele, você encontrará tudo o que precisa sobre as causas, sintomas e alternativas de tratamento.

O que é trombose mesentérica?

Trata-se de uma condição médica na qual há uma obstrução da veia que irriga o mesentério, tecido que liga o intestino à parede abdominal. Esse bloqueio do fluxo sanguíneo é provocado pela formação de um coágulo na região.

Ainda, a trombose mesentérica é uma doença rara, mas responde por cerca de 15% dos diagnósticos de isquemia intestinal, levando o paciente à morte em 40% dos casos, principalmente se for descoberta tardiamente.

Ademais, as artérias mesentéricas são responsáveis pela nutrição dos intestinos, fígado, baço e pâncreas. Quando ocorre um estreitamento ou oclusão destas artérias, os nutrientes não chegam aos órgãos, ocasionando sintomas que pioram subitamente.

Assim, a evolução do quadro e a ausência de tratamento pode levar a necrose parcial ou total do intestino. Outrossim, a população mais acometida pela trombose mesentérica são os homens na faixa etária de 45 a 60 anos.

Como é causada?

A obstrução das artérias mesentéricas ocorre, principalmente, em consequência da formação de placas de gordura (aterosclerose). Nesses casos, os fatores de risco mais comuns são tabagismo, hipertensão arterial e dislipidemia.

Ademais, com menor frequência, o quadro pode surgir em função de vasculites, lúpus sistêmico, doença de Buerger, displasia fibromuscular, dissecções e uso de drogas entorpecentes, como a cocaína.

Quais são os sintomas?

A manifestação de sintomas depende da extensão da isquemia, do tipo de vaso e camada da parede intestinal afetada e da dimensão da trombose. Quando acomete apenas a mucosa, o paciente tende a apresentar dor e distensão abdominal, náuseas, diarreias e vômitos.

Ainda, quando há a invasão transmural, os sintomas se intensificam, podendo levar à necrose e hemorragia gastrointestinal, inflamação e perfuração, elevando a dor. Em quadros subagudos, também há perda de peso e alterações do hábito intestinal.

Ademais, em casos crônicos de trombose mesentérica, ocorre uma alternância de períodos de sintomas intensos com momentos assintomáticos. Os quadros de inflamação são considerados indicativos de urgência.

Como é o tratamento?

O tratamento varia de acordo com o estado de saúde do paciente e a sintomatologia apresentada. Quando não há hemorragia, o uso de anticoagulantes é a alternativa mais indicada. Caso não possam ser aplicados diretamente, realiza-se a trombólise.

Quando o tratamento medicamentoso não surte o efeito esperado, é necessário abrir as artérias acometidas. Para isso, podem ser realizadas diferentes técnicas cirúrgicas, tais como, endarterectomia, uso de enxerto, embolectomia e angioplastia.

Ademais, também é possível adotar medidas para prevenir o quadro ou evitar o seu agravamento. A ação mais importante é tratar os fatores de risco para aterosclerose, ou seja, parar de fumar, controlar a pressão arterial e alimentar-se de modo equilibrado.

Então, com a leitura deste post, você conheceu tudo sobre a trombose mesentérica. Portanto, adote medidas preventivas e mantenha uma rotina de consultas ao seu médico. Assim, quaisquer anomalias serão percebidas antecipadamente.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião em Belo Horizonte! 

O que deseja encontrar?

Compartilhe

Share on facebook
Share on linkedin
Share on google
Share on twitter
Share on email
Share on whatsapp