Hérnia umbilical: o que é?

Enquanto o feto está no útero, o cordão umbilical é o responsável por ligá-lo à sua mãe. Esse ligamento dos bebês passa por uma abertura muito pequena situada entre os músculos da parede do abdômen. Geralmente, essa abertura se fecha pouco após o nascimento. Já a hérnia umbilical surge quando a parede abdominal não se fecha adequadamente e alguns tecidos, bem como o intestino, incham através dessa região enfraquecida na cavidade abdominal.

Estima-se que algo em torno de 20% dos bebês nascem com essa condição.

Nos próximos parágrafos, vamos entender os principais aspectos envolvendo a hérnia umbilical, de forma a identificá-la melhor. Acompanhe!

Sintomas e sinais que ajudam a identificar uma hérnia umbilical

Geralmente, as hérnias umbilicais podem ser percebidas quando o bebê chora, se esforça para fazer suas necessidades ou até mesmo ri.

O primeiro sinal que ajuda a identificar essa condição é presença de uma protuberância ou inchaço próxima a área umbilical. Esse sintoma não fica evidente quando o bebê está relaxado e raramente esse tipo de hérnia apresenta algum incômodo ou dor para a criança.

Aqui, vale fazer uma observação: algumas pessoas acreditam que adultos não podem desenvolver uma hérnia umbilical. Esse pensamento ocorre pela frequência maior nas crianças, mas adultos podem, sim, desenvolver essa condição. Nesse caso, os sintomas são os mesmos que nos bebês — inchaço ou protuberância próxima na região do umbigo.

Entretanto, ao ocorrer em pessoas adultas a hérnia umbilical pode vir acompanhada de muito desconforto e episódios de dor intensa. O tratamento, geralmente, é cirúrgico.

Os seguintes sinais indicam que é preciso buscar ajuda médica rapidamente, pois a situação é mais grave:

  • Nos casos em que a protuberância é muito sensível, descolorida ou muito inchada, válido para crianças e adultos;
  • Quando o bebê começa a vomitar;
  • Quando bebê está com dor evidente.

Causas da hérnia umbilical

Como apontamos no início desse artigo, a principal causa é a abertura no músculo abdominal. Mas existem algumas particularidades que valem a pena serem conhecidas.

Bebês que nascem com baixo peso, prematuros e de descendência afro, têm maiores chances de desenvolver a condição. Não existem diferenças significativas entre as ocorrências nos meninos e nas meninas.

No caso dos adultos, a hérnia umbilical geralmente surge em decorrência de pressão aplicada sobre a área abdominal que tem a musculatura enfraquecida. Dentre as causas, nesse sentido, destacamos:

  • Tosse persistente e intensa;
  • Cirurgia abdominal;
  • Diversas gestações (gêmeos, trigêmeos etc.);
  • Gestação frequente;
  • Estar acima do peso.

Voltando para as crianças, uma notícia muito interessante é que 90% das hérnias umbilicais fecham-se por conta própria. Por outro lado, caso a hérnia não tenha se fechado até a idade de 4 anos, será preciso procurar por tratamento médico especializado.

O diagnóstico médico para a hérnia umbilical exige um exame físico, por meio do qual o médico fará a verificação dessa condição, tanto em bebês quanto em adultos. Ele também avaliará se a hérnia é redutível (pode ser empurrada de volta para a cavidade abdominal) ou é encarcerada, situação em que está presa no lugar. Essa última condição é uma situação séria, pois pode interferir no fluxo sanguíneo provocando prejuízos permanentes aos tecidos.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião em Belo Horizonte!

Comentários
Avatar

Posted by Dr. Diego Paim