cirurgia bariátrica

Qual a diferença entre cirurgia bariátrica e cirurgia metabólica?

No período entre os anos de 2012 e 2017, aumentou em 46% o número de cirurgias bariátricas realizadas no Brasil, de acordo com a SBCBM (Sociedade Brasileira de Cirurgia Bariátrica e Metabólica). Esses dados retratam o crescimento dos quadros de obesidade no país.

Com a evolução da medicina, surgiu a cirurgia metabólica. Ambos os procedimentos são indicados para pacientes que sofrem com a obesidade. No entanto, os procedimentos são diferentes no que se refere ao objetivo.

Conhece esses tipos de cirurgia? Quer entender um pouco mais? Então, aproveite e leia esse texto que preparei para você.

O que é a cirurgia metabólica?

A cirurgia metabólica surgiu no Brasil em meados de 2006, oferecendo um tratamento diferenciado aos pacientes. Esse procedimento é altamente eficaz para tratar diversas doenças relacionadas ao excesso de gordura.

Aprovada pelo Conselho Federal de Medicina (CFM), a cirurgia só pode ser realizada em pacientes que atendam às seguintes exigências:

  • Ter o Índice de Massa Corpórea (IMC) acima de 30;
  • Tratamento medicamentoso não oferece resultados eficientes;
  • Idade mínima de 30 e máxima de 70 anos;
  • Diagnóstico do diabetes tipo 2 há menos de 10 anos.

Para verificar a possibilidade de optar por esse tratamento, o paciente precisa ser avaliado por um cirurgião bariátrico. 

O que é a cirurgia bariátrica?

A cirurgia bariátrica tem por finalidade a diminuição do tamanho do estômago e, consequentemente, a redução do peso. Indicada principalmente para pacientes obesos ou portadores de doenças que foram agravadas pela obesidade.

O CFM também aprovou esse procedimento, que é considerado uma alternativa segura para o tratamento da doença. O grande problema observado pela SBCBM é quando a cirurgia se torna a primeira opção de quem está acima do peso, ignorando a importância da dieta e da atividade física.

Assim como a metabólica, a intervenção bariátrica também exige o cumprimento de alguns requisitos:

  • Ter o IMC maior ou igual a 40;
  • Se o IMC for entre 35 e 40, precisa ter o histórico de duas complicações de saúde;
  • Idade mínima de 18 e máxima de 65 anos. Os menores de 16 anos somente em casos de síndrome genética ou por recomendação da equipe médica e com autorização do responsável legal;
  • Acima de 65 anos apenas com a avaliação do risco cirúrgico, da presença de comorbidades, expectativa de vida e quais os benefícios que o emagrecimento trará;
  • Ter o mesmo IMC e as comorbidades de alto risco há, no mínimo, dois anos;
  • Realização de outros tratamentos convencionais que não apresentaram resultados;
  • Insucesso ou recidiva de peso.

Quais as diferenças entre os procedimentos?

Apesar de ambas atuarem no tratamento da obesidade e doenças relacionadas, existe muita diferença na finalidade de cada procedimento. As principais divergências são as seguintes:

  • A bariátrica atua na perda de peso do paciente, reduzindo a obesidade. Já a metabólica foca na inibição dos altos níveis de insulina, alteração do metabolismo e do gasto de energia;
  • A intervenção metabólica realiza a alteração do trajeto que os alimentos fazem para chegar ao intestino. A bariátrica promove a redução do tamanho do estômago;
  • Apenas a cirurgia metabólica oferece como benefícios a melhora dos componentes da síndrome metabólica: pressão, glicemia e colesterol.

Essas são as principais diferenças entre a cirurgia bariátrica e a metabólica. Apesar de todas as informações do texto, apenas a avaliação de um cirurgião bariátrico pode indicar a necessidade de realização de um desses procedimentos.

Quer saber mais? Estou à disposição para solucionar qualquer dúvida que você possa ter, e ficarei muito feliz em responder aos seus comentários sobre este assunto. Leia outros artigos e conheça mais do meu trabalho como cirurgião em Belo Horizonte!

Comentários
Avatar

Posted by Dr. Diego Paim